“Odisseia” estreia-se no Trindade para despertar interesse pela língua e cultura clássicas



Despertar nos jovens o interesse pela língua e cultura clássicas é um dos objetivos do espetáculo "Odisseia", dirigido por Teresa Sobral, que se estreia no sábado, no Teatro da Trindade, em Lisboa.

Despertar nos jovens o interesse pela língua e cultura clássicas é um dos objetivos do espetáculo-concerto “Odisseia”, dirigido por Teresa Sobral, que se estreia no sábado, na sala Estúdio do Teatro da Trindade, em Lisboa. A partir de excertos da tradução portuguesa de Frederico Lourenço da “Odisseia”, de Homero, Teresa Sobral quis construir um espetáculo à semelhança de um “jogo ‘on-line’, como o que os jovens jogam atualmente”, disse a responsável pela montagem da peça à agência Lusa.

Depois de o atual diretor artístico do Teatro da Trindade, Diogo Infante, lhe ter perguntado se estaria interessada em fazer um espetáculo para miúdos, sobretudo relacionado com textos de leitura obrigatória nas escolas, a atriz e encenadora foi pensar e respondeu-lhe que gostaria muito de trabalhar o poema clássico de Homero, porque é um texto obrigatório nas escolas, mas os alunos acabam por nunca ler o original, sustentou. “Leem sempre as adaptações em prosa e eu achei que podia ser interessante trazer-lhes o poema clássico, original, enfim, um excerto do poema”, observou. Além do mais, é um texto “muito simples”, ao contrário de muitos textos de Gil Vicente e de Luís de Camões, por exemplo, como frisou Teresa Sobral.

E talvez tal se deva ao facto de ser um texto de tradição oral. “Era para ser contado e não para ser lido”, enfatizou Teresa Sobral. Depois, surgiu a ideia de convidar o ator José Raposo, um amigo de que “gosta muito”, “que é um ator excecional”, e de “fazer uma banda sonora para acompanhar o poema, que o aproximasse um bocadinho do universo dos jogos que os miúdos jogam ‘on-line'”, explicou. A ideia foi “transformar um bocadinho o universo dos jogos”, para cativar mais os adolescentes, mas também porque Odisseu, que nós conhecemos como Ulisses, “é, sem dúvida alguma, uma personagem que podia ser o protagonista de um grande jogo, que se podia jogar ‘on-line'”, acrescentou.

“As peripécias, as aventuras e desventuras, as loucuras todas que [Odisseu] comete…” podiam ser do herói de um jogo. Ele “é vaidoso, invencível e faz todo o sentido”, acrescentou Teresa Sobral, sublinhando que a banda sonora acaba por ajudar os jovens a entrar na história. O espetáculo é construído com base na segunda parte do poema grego, já que é nesta parte que o protagonista conta as suas façanhas, no regresso da guerra de Troia. É durante um banquete esplendoroso, num palácio da ilha dos Feaces, que Odisseu conta a todos os convivas as suas venturas e desventuras na guerra de Troia, quando o herói está de regresso a Ítaca.

Este é a primeira incursão de Teresa Sobral no universo adolescente, depois de duas experiências direcionadas para a infância: “Bom dia, Benjamim!”, no Pequeno Auditório do Centro Cultural de Belém, e “O menino Cosmos”, na Malaposta. A banda sonora, com eletrónica, é tocada ao vivo. Além de José Raposo, que aparece no palco de fato negro e com um colete de borracha com tachas metálicas prateadas, como se de um gladiador se tratasse, no palco estão também Teresa Sobral (nos tambores e bateria), Miguel Sobral Curado (viola e bateria) e Philippe Trovão (computador).

A peça vai estar em cena até 28 de abril, com espetáculos para o público em geral, de 4 a 6 de abril, às 15h00, e dias 7, 14, 21 e 28 de abril, com sessões às 15h00 e às 17h00. Há sessões para escolas, mediante marcação, de 11 a 27 de abril, às quartas e sextas-feiras, com sessões às 11h00 e às 15h00. A adaptação do texto é de Teresa Sobral, a música e sonoplastia de Miguel Sobral Curado, e o desenho de luz de Pedro Domingos.

Comments

Popular Posts