UM D. JOÃO PORTUGUÊS
a partir de Comédia nova intitulada O convidado de pedra ou D. João Tonorio, o dissoluto, de Molière (tradução portuguesa de 1785). Inclui O mendigo ou O cão morto, de Bertolt Brecht
dramaturgia e encenação de Luis Miguel Cintra

Um D. João Português marca o regresso de Luis Miguel Cintra ao trabalho, na companhia de um grupo de actores cujo percurso se cruzou com o do extinto Teatro da Cornucópia. Juntos visitaram, no último ano, quatro cidades portuguesas (Montijo, Setúbal, Viseu e Guimarães), numa série de residências artísticas que lhes permitiram ir preparando e apresentando, à vez, as quatro partes em que dividiram um espectáculo baseado numa tradução setecentista, anónima, da peça D. João, de Molière. A versão integral estreou em Janeiro, em Guimarães, e apresenta-se agora em Almada, em duas partes. Na primeira, acompanhamos a fuga de D. João e do seu criado Esganarelo, depois de o primeiro ter morto o pai de uma amante e voltado as costas a D. Elvira, a quem prometera casamento. Na segunda, o herói prepara-se para oferecer um jantar à estátua do comendador morto, mas as recriminações de um credor, do próprio pai e de D. Elvira vêm adiar o seu encontro com o cadáver. O protagonista, no entanto, parece incapaz de sentir remorsos. E a adaptação de Luis Miguel Cintra evita a sua condenação, complexificando assim, ainda mais, a reflexão sobre a actual crise de valores, o conceito de responsabilidade individual e colectiva, e as noções de Bem e de Mal.

Luis Miguel Cintra (n. 1949) estreou-se como actor e encenador no Grupo de Teatro da Faculdade de Letras. Fundou o Teatro da Cornucópia em 1973, mantendo-se à frente da sua direcção artística até à sua extinção, em 2016. É igualmente reconhecido pela sua participação em filmes de Manoel de Oliveira, João César Monteiro e Paulo Rocha, entre outros. Foi distinguido com o Prémio Pessoa 2005.

Interpretação André Reis, Bernardo Souto, Dinis Gomes, Diogo Dória, Duarte Guimarães, Guilherme Gomes, Joana Manaças, João Jacinto, João Reixa, Leonardo Garibaldi, Levi Martins, Luís Lima Barreto, Luis Miguel Cintra, Maria Mascarenhas, Nídia Roque, Rita Durão, Sílvio Vieira e Sofia Marques
Direcção de produção Levi Martins
Assistência de produção e encenação Maria Mascarenhas
Luz e som Rui Seabra

10 de Março (1ª parte) e 11 de Março (2ª parte), 2018
Sábado às 21h | Domingo às 16h
SALA PRINCIPAL | M/12 | Duração: 2h30 (aprox.)

CONVERSAS COM O PÚBLICO: 10 DE MARÇO ÀS 18H

Comments

Popular Posts