Tiago Rodrigues apresenta "Sopro" em Viseu




O espetáculo "Sopro", uma homenagem de Tiago Rodrigues aos que trabalham nos bastidores do teatro, é apresentado hoje e sábado no Teatro Viriato, em Viseu, num palco que permite uma relação muito próxima dos atores com a plateia.

O espetáculo estreou no Festival de Avignon, em França, e foi apresentado no Teatro Nacional D. Maria II (TNDMII), em Lisboa. Apesar do palco de Viseu ser mais pequeno, o diretor artístico do TNDMII tem uma expectativa muito positiva, porque permite "uma relação muito próxima com a plateia".

Tiago Rodrigues revela, à Lusa, que será possível "o espetador perceber os pormenores do trabalho dos atores e isso é, às vezes, o que falta nos grandes palcos, que podem ter um lado mais monumental, mas não têm essa sensibilidade, essa escuta, que num palco mais pequeno se encontra".

"O Teatro Viriato tem essa escala perfeita que nos permite ter a nossa cenografia, as imagens que queremos propor, o quadro, e, ao mesmo tempo, ter uma grande proximidade", frisou.

Segundo o encenador, "Sopro" é "um espetáculo de nuances, de detalhes, de pormenores, que exige alguma atenção do público para a minúcia da representação".

"Tem um elenco de atores formidáveis que me orgulha muito, mas também a Cristina Vidal que, não sendo atriz, é a protagonista da peça e merece essa observação atenta", acrescentou. Cristina Vidal trabalha como ponto no TNDMII há mais de 25 anos, sussurrando, na sombra, palavras aos atores.

A ideia de Tiago Rodrigues de criar o espetáculo "Sopro" surgiu quando, ao assumir as funções de diretor artístico do TNDMII, foi confrontado com a existência de dois pontos profissionais, os últimos em Portugal.

O elenco integra os atores Isabel Abreu, João Pedro Vaz, Sofia Dias, Vítor Roriz e Beatriz Brás e Cristina Vidal, que se estreia no palco aos 61 anos.

"No Teatro Viriato é quase possível estar a olhar à lupa para as expressões, os movimentos dos atores, e isso é algo a que estaremos muito atentos nas representações dos próximos dias", afirmou Tiago Rodrigues.

O diretor artístico do TNDMII sublinhou que o palco de Viseu "tem sido um parceiro fundamental de muitas companhias, de muitos artistas".

"É uma forma de dizer ao país e aos portugueses que as boas ideias e o bom trabalho artístico não acontecem só em Lisboa e no Porto, podem acontecer em qualquer cidade onde haja meios, vontade política e pessoas com o conhecimento e a capacidade de fazerem um ótimo trabalho", considerou.

O envolvimento do Teatro Viriato na coprodução de "Sopro" acabou por ser natural. "Desde há muito tempo que o Teatro Viriato acompanha o meu trabalho artístico e, portanto, quando cheguei ao teatro nacional, olhando para o território português, um dos primeiros parceiros que procurámos foi o Teatro Viriato".

Além do Teatro Viriato, a peça tem como coprodutores o Festival de Avignon, Théâtre de la Bastille, Le Parvis - Scène Nationale Tarbes Pyrénées, Terres de Paroles - Seine Maritime - Normandie, ExtraPôle Provence-Alpes-Côte d'Azur.

"Temos convites para fazer digressão deste espetáculo durante dois anos e, portanto, já sabemos que até ao fim de 2019 circulará. Depois decidiremos se continuará a ter vida para lá disso", disse Tiago Rodrigues.

Em Portugal, vai ser apresentado também no Porto, mas apenas em 2019. Isto porque, este ano, a prioridade será dada aos teatros que "tiveram a coragem de arriscar e coproduzir o espetáculo", justificou Tiago Rodrigues.
in JN
fotos Filipe Ferreira

Comments

Popular Posts