Lançamento “Jorge Gonçalves, 20 Anos de Trabalhos – Fotografia, Artistas Unidos”



A Imprensa Nacional-Casa da Moeda e os Artistas Unidos têm o prazer de convidar para o lançamento do livro "Jorge Gonçalves, 20 Anos de Trabalhos - Fotografias, Artistas Unidos", em véspera de Dia Mundial do Teatro, a 26 de Março, pelas 18h30, na Biblioteca da Imprensa Municipal-Casa da Moeda (R. da Escola Politécnica, 135).

Apresentação de Maria João Luís e Jorge Silva Melo

Na Biblioteca da Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 26 de Março às 18h30


E FOI JÁ HÁ VINTE ANOS

Foi, faz agora vinte anos. Nem sei se foi alguém que mo recomendou, se foi por eu já ter visto as suas belíssimas fotografias de Vera Mantero ou de João Fiadeiro , não sei. Sei que, uma tarde nos finais de Junho de 1998, o Jorge Gonçalves nos apareceu, nos Recreios da Amadora, num ensaio quase final de “Aos que Nascerem Depois de Nós”, um espectáculo que dirigi com canções de Bertolt Brecht. E fotografou, fotografou, fotografou. Ainda a fotografia era em película, ainda usava o preto e branco, fazíamos uma volta da peça para as fotos a cores, outra para o pb.
E foram deslumbrantes aquelas primeiras fotografias, deslumbrantes. Movimento, composição, relação entre actores, rostos em acção, olhos - é aquele o teatro de que gosto e, logo nessa longa primeira sessão, o Jorge Gonçalves se entendeu bem com esta nossa (barroca?) desarrumação que não deixo de dedicar ao que tanto aprendi com o Tintoretto. Sim, o Jorge Gonçalves gosta do desequilíbrio, da instável relação de forças, do corpo vivo dos actores, dos olhos que irradiam, do corpo em queda, do olhar furtivo, da mão que se eleva até à boca.

E desde então tem andado connosco. Sempre. Passou da película ao digital, acabou-se o preto e branco e as longas noites a revelar em casa, acabou-se esse mundo, falamos em Raw e em dpis , mas ele continua a fotografar e são vibrantes os trabalhos que nos trás, esplendorosos. Foram vinte anos, são milhares de fotografias, quase duzentos actores, tantas peças, muitos directores, tantas salas diferentes, grandes umas, sem recuo outras tantas, pequenas muitas delas, A Capital, o Taborda, as Mónicas, a Malaposta, o Dona Maria, o CCB, a Culturgest, a Mundet no Seixal, a Voz do Operário, o Belém-Clube, o São Luiz, Teatro Municipal de Almada, o Centro Cultural do Cartaxo, o Estrela 60 de tantos ensaios, agora o Teatro da Politécnica (mudámos mais vezes de casa do que de sapatos?) , tanta sessão, tanta fotografia, tanto nome, tanto trabalho, tanto talento: vinte anos.

O teatro vive mal com os registos, desconfio dos vídeos, veneno omnipresente que torna tudo velho, mais velho do que a memória.
E o que o Jorge Gonçalves faz não é de todo um registo, ele não é testemunha, inventa fotografia a partir dos ensaios, fotografia da vida que está dentro dos espectáculos, é uma outra maneira de olhar o mundo, é reescrita, é fotografia, chamemos-lhe arte, que foi para isto que se inventou esta palavra.

Muitas vezes tem de se acrescentar luz ao desenho que o Pedro Domingos fez, e tentamos seguir-lhe as linhas mestras, quase nunca temos recuo para fotografar os sempre extraordinários cenários da Rita Lopes Alves, preso que o Jorge anda (e deve andar) à movimentação dos actores, à sua instantânea vulnerabilidade. Vemos só uma parte, sim, “a parte pelo todo”, como se diz que é a metonímia.

E não é isso mesmo a fotografia? Ou seja, a poesia?

Para nós é isso: vinte anos.

Jorge Silva Melo

Outubro 2017

Comments

Popular Posts