"Sopro" no Teatro D. Maria II


Após a estreia no Festival de Avignon, Sopro apresenta-se agora no Teatro Nacional D. Maria II. Um espetáculo de Tiago Rodrigues, com Beatriz Brás, Cristina Vidal, Isabel Abreu, João Pedro Vaz, Sofia Dias e Vítor Roriz.

De 2 a 19 de novembro, o D. Maria II apresenta Sopro. Um espetáculo de Tiago Rodrigues, estreado a 7 de julho no Cloître des Carmes (França), no âmbito do Festival de Avignon - um dos mais importantes festivais de artes performativas do mundo.

Descrito pelo jornal francês, Le Figaro, como "uma homenagem vibrante ao teatro e àqueles que o fazem”, chega agora à Sala Garrett, num palco atrás do qual a sua protagonista, Cristina Vidal, ponto do D. Maria II há mais de 25 anos, tantas vezes se manteve incógnita. Neste espetáculo, esta guardiã de uma profissão em vias de extinção aparece pela primeira vez sob os holofotes, acompanhada por cinco atores e centenas de fantasmas. Consigo, são evocadas as histórias reais e ficcionais de um teatro agora em ruínas. Que teatro habita  a sua imaginação e a sua memória? Que mundo nos pode  dar a ver, usando apenas o seu sopro invisível?

A 16 de novembro, às 18h30, na FNAC Chiado, decorrerá o lançamento do livro Como ela morre / Sopro. Uma edição do D. Maria II e da Bicho do Mato, que reúne os dois mais recentes textos de Tiago Rodrigues.

Sopro
2 – 19 nov
qua, 19h / qui – sáb, 21h / dom, 16h
Sala Garrett

Tendo estreado no Festival de Avignon, Sopro, de Tiago Rodrigues, foi descrito pelo jornal francês, Le Figaro, como "uma homenagem vibrante ao teatro e àqueles que o fazem”. Em novembro, chega à Sala Garrett, num palco atrás do qual a sua protagonista, Cristina Vidal, ponto do D. Maria II há mais de 25 anos, tantas vezes se manteve incógnita. Neste espetáculo, esta guardiã de uma profissão em vias de extinção aparece pela primeira vez sob os holofotes, acompanhada por cinco atores e centenas de fantasmas. Consigo, são evocadas as histórias reais e ficcionais de um teatro agora em ruínas. Que
teatro habita a sua imaginação e a sua memória? Que mundo nos pode dar a ver, usando apenas o seu
sopro invisível?

Ficha artística
de Tiago Rodrigues
com Beatriz Brás, Cristina Vidal, Isabel Abreu, João Pedro Vaz, Sofia Dias, Vítor Roriz
cenografia e desenho de luz Thomas Walgrave
figurinos Aldina Jesus
sonoplastia Pedro Costa
assistente de encenação Catarina Rôlo Salgueiro
produção TNDM II
coprodução ExtraPôle Provence-Alpes-Côte d’Azur, Festival d’Avignon, Théâtre de la Bastille, La Criée
Théâtre national de Marseille, Le Parvis Scène nationale Tarbes Pyrénées, Festival Terres de Paroles
Seine-Maritime – Normandie, Théâtre Garonne scène européenne, Teatro Viriato
apoio Onda
M/12

Lançamento de Como ela morre / Sopro
16 nov, 18h30
FNAC Chiado
Esta edição do D. Maria II e da Bicho do Mato reúne os dois mais recentes textos de Tiago Rodrigues.
Em Como ela morre, o clássico de Tolstói, Anna Karénina, é o ponto de partida para a escrita de uma peça que apresenta uma coleção de vidas transformadas pela leitura do romance. Sopro tem como  protagonista uma mulher chamada Cristina Vidal, que trabalha como ponto no D. Maria II, há mais de vinte e cinco anos. As encenações de ambos os textos passaram pela Sala Garrett, tendo Sopro  estreado na última edição do Festival de Avignon.

Comments

Popular Posts