"Sombras" de Ricardo Pais no Teatro Nacional São João


Sombras de Ricardo Pais é e não é teatro. Tem o seu coração no Fado e inclui composições originais de Mário Laginha, mas a lógica dramatúrgica não advém exclusivamente da música. Sombras assenta num apurado guião de textos onde Frei Luís de Sousa (1843) e Castro (1587) detêm um valor matricial, e que é atravessado pelos nossos fantasmas lendários, o gosto das pequenas histórias, a melancolia das variedades, a vigor do fandango, o prazer cénico de experimentar os opostos – e a força percussiva da mais alta literatura dramática. Após a assombrosa recepção em Novembro passado, e antecedendo a apresentação no Théâtre de la Ville (Paris), Sombras reaparece no seu palco originário. Três oportunidades para avaliar da materialidade destes assombramentos e incandescências da nossa natureza teimosa e paradoxal. A nossa alma é uma coisa concreta.

uma criação Ricardo Pais vídeo Fabio Iaquone, Luca Attilii música original e direcção musical Mário Laginha coreografia Paulo Ribeiro cenografia Nuno Lacerda Lopes figurinos Bernardo Monteiro desenho de luz Rui Simão desenho de som Francisco Leal voz e elocução João Henriques consultor musical (fados) Diogo Clemente encenação Ricardo Pais assistência de encenação Manuel Tur interpretação José Manuel Barreto, Raquel Tavares (fadistas); Emília Silvestre, Pedro Almendra, Pedro Frias (actores); Carla Ribeiro, Francisco Rousseau, Mário Franco (bailarinos); Mário Laginha, Carlos Piçarra Alves, Mário Franco, Miguel Amaral, Paulo Faria de Carvalho (músicos); Albano Jerónimo, António Durães, João Reis e Teresa Madruga (participação especial em vídeo) produção TNSJ em co-produção com Centro Cultural Vila Flor, Teatro Viriato, São Luiz Teatro Municipal colaboração OPART duração aproximada 1:45 classificação etária M/12 anos

De 17 a 19 de Fevereiro no Teatro Nacional São João

Comments

Popular Posts