Friday, April 18, 2008

"Literaturinha" no Barreiro


20 de Abril
Auditório Municipal Augusto Cabrita
Barreiro

Domingo, 20 de Abril às 16h00

Alice no Jardim
A partir de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll
Adaptada do celebérrimo romance «Alice no País das Maravilhas», obra-prima do escritor, matemático e fotógrafo Lewis Carroll, a leitura proposta valoriza o conceito de jardim, aduzido como metáfora poética de «lugar da imaginação». O anfitrião é, como no romance, a personagem do Coelho, «lebre» da protagonista. Os actores/leitores multiplicam-se por dois: dois Lewis Carroll, duas Alices, dois Coelhos Brancos. Também há um rato timorato, uma lagarta fleumática e um apetecível bolo de chocolate.

O Silêncio de Rocinante
A partir de O Engenhoso Fidalgo D. Quixote de La Mancha, de Cervantes
Se Cervantes lhe tivesse dado voz, que contaria Rocinante, o débil cavalo de Alonso Quijana, também conhecido por D. Quixote de La Mancha?» Em tempo de celebração dos 600 anos sobre a publicação da primeira parte do texto seminal de Cervantes, a sessão que se segue propõe-se recontar alguns episódios de «O Engenhoso Fidalgo D. Quixote de La Mancha» na inesperada perspectiva do equídeo.

O Amigo Dedicado
A partir do conto homónimo de Oscar Wilde
O pequeno e pobre Hans é o mais dedicado de todos os amigos que conhecer se possa. Ao rico moleiro, por exemplo, Hans ofereceu quase tudo o tinha para oferecer [que era muito pouco]. Do moleiro, em troca, recebeu, apenas, lindas palavras sobre o valor da amizade. Será que a amizade vale alguma coisa?

Minotauro versus Teseu
A partir do mito grego da Antiguidade Clássica
Desenhado por Dédalo, o arquitecto e artesão, e mandado erigir pelo rei Minos, um labirinto, situado na ilha de Creta, esconde uma criatura terrível. Um homem gigante, com cabeça de touro, que sobrevive, há muitos anos, com a mesma dieta: rapazes e raparigas atenienses que, de nove em nove anos, lhe são enviados, em sacrifício. Teseu, príncipe de Atenas, num acto de coragem e astúcia, decide partir para Creta para derrotar o Minotauro. O duelo segue dentro de momentos.

O Macaco de Rabo Cortado
A partir do conto tradicional português, reescrito por António Torrado
Era uma vez um macaco mariola que tinha vergonha do rabo que tinha. Foi ao barbeiro e, zut!, rabo para um lado, macaco para o outro. Só que, depois, ficou maluco e só fez foi macacadas. Tantas ou tão poucas que acabou em telhados de casas a tocar guitarra. Eléctrica. Vamos ouvir?

A Espada do Rei Artur
A partir do mito medieval britânico
Numa inexpugnável fraga, na qual está cravada uma grande e bela espada, pode ler-se a seguinte inscrição Aquele que esta espada aliviar o vero soberano será da Inglaterra inteira. O jovem Artur, o verdadeiro sucessor de Uther Pendragon, desconhece o seu destino, mas apenas ele poderá quebrar o feitiço e assumir o trono.

DURAÇÃO
40' s/ intervalo

FAIXA ETÁRIA
M/6

Direcção, Interpretação/Leitura: Pedro Alves, Filipe Araújo, Paulo Campos dos Reis
Ilustração: Alex Gozblau
Fotografia: António Rodrigues
Produção Executiva: Pedro Alves [teatromosca]
Co-produção: teatromosca e Centro Cultural Olga Cadaval
Apoios: Câmara Municipal de Sintra, Junta de Freguesia de S. Pedro de Penaferrim, Junta de Freguesia de Santa Maria e S. Miguel, El Corte Inglés, Sport Zone e Foreva

No comments: