Opinião: "Cabaret" no Maria Matos


E pronto, estreou-se o mais aguardado “acontecimento” teatral da rentrée, o “musical” “Cabaret”, originalmente posto em teatro num libreto de Joe Masteroff e letra de Fred Ebb, com fabulosa partitura musical de John Kander (baseando-se o “musical” da Broadway num peça de John Van Druten, “Adeus a Berlim”, e em contos de Christoher Isherwood, “Histórias de Berlim”), traduzido para português por Pedro Gorman, com adaptações de letras de Ana Zannatti.



A encenação é de Diogo Infante, num teatro que ele dirigiu com particular sucesso nos últimos anos, e de que se demitiu recentemente, num imbróglio que metia a sua transferência para a direcção do Teatro Nacional de D. Maria II. A preparação do espectáculo levou à realização de um interessante programa na RTP; “À Procura de Sally”, onde, entre milhares de candidatas, um júri seleccionou Ana Lúcia Palminha para o papel de Sally Bowles, a protagonista.


Tudo se conjugava para um estrondo espectacular. Que acontece, mas não da forma por que se adivinhava. O espectáculo é globalmente um fracasso, com muito pouco a recomendá-lo.
A história é conhecida: Clifford Bradshaw, jovem norte-americano, recém-chegado a Berlim, escritor em difícil gestação e em busca de inspiração, conhece Sally Bowles, uma inglesa, cantora de cabaret, aspirante a estrela do Kit Kat Klub. Conhecem-se, amam-se, passam a viver juntos num quarto alugado a Fraulein Schneider, casa onde também vive Herr Schultz, judeu, dono de uma frutaria, eterno apaixonado pela senhoria. Tudo seria simples, se não estivéssemos em inícios dos anos 30 e Hitler e o nacional-socialismo não se encontrassem a caminho de consolidar o poder, para iniciarem a limpeza étnica e apurar a raça ariana. Conflitos amorosos inscritos em tragédias políticas, tudo ao som do decadentismo de “Life is a Cabaret” ou do austero e puritano “Tomorrow Belongs To Me” - o resultado só poderia ter um fim dramático.



Dramática não foi, porém, a adaptação do “musical” a cinema, que o genial Bob Fosse e a deslumbrante Liza Minelli cozinharam gostosamente em 1966, transformando o título numa mítica referência. Devemos reconhecer que tendo por base de comparação este filme, muito difícil seria encenar um espectáculo que não destoasse ao ser colocado ao lado. Declare-se no entanto que em Portugal já há experiências gloriosas, desde o “Sweeney Todd”, de João Lourenço, até vários espectáculos de Filipe La Feria (falando só em adaptações, citem-se “My Fair Lady”, “Música no Coração”, “Jesus Cristo Superstar” ou “O Violino no Telhado”).
Infelizmente, “Cabaret” é um duque no baralho. A encenação é fraquinha, nada inventiva, deixa os actores presos em marcações cerradas durante minutos (o que é de surpreender em Diogo Infante, que já vimos fazer coisas muito boas), a coreografia não existe (não se chama coreografia a meninas a saltitar num palco, ou a rodarem, à volta de cadeiras), a iluminação (criativa) não se vê (há luzes, focos sobre os cantores, pouco mais), os cenários são penosos (nada sugestivos e tecnicamente mal resolvidos: ver entrar e sair uma cama, um guarda-fato, uma mesa e uma cadeira, empurrados por actores, de cinco em cinco minutos, torna-se tão repetitivo que ao meu lado um senhor dormia a bem dormir, e não era na cama). A orquestra que executa em palco não é má e passemos aos actores- cantores.
Pois bem: nota positiva para Henrique Feist, boa voz, bom intérprete, bom actor, boa presença. Ele é um convincente “mestre-de-cerimónias”, que faz a ligação entre diversas cenas, as comenta e as introduz. Também Pedro Laginha me parece bem. Fernando Gomes, em Herr Schultz, defende-se bem, é um actor experimentado e convive bem com o canto. Fraulein Schneider, interpretada por Isabel Ruth, tem a silhueta requerida e um grande talento como actriz, mas não encontrou (ou na encontraram por ela) o tom para cantar o que lhe competia. Custou-me ver uma actriz de quem tanto gosto neste papel.
Finalmente, Ana Lúcia Palminha, a escolhida para protagonista. Um caso curioso. Ela não é estreante no teatro, é actriz há muito e tem talento óbvio. Tem inclusive uma bonita voz, e quando a vi no programa da RTP apostei desde logo nela. O potencial está lá, mas parece-me inteiramente desfasada do papel. Tem boa voz, mas não a aproveita, a não ser num ou dois números. E de resto toda a sua representação é um over acting incompreensível. Tenta copiar Liza Minelli, escolhendo um espalhafato e uma falta de senso total. E seria tão fácil apontar-lhe o bom caminho: projectar “O Anjo Azul”, de Sternberg e Marlene, e mostrar-lhe que a sedução se faz de mistério, do que de mais secreto e íntimo tem o ser humano, particularmente a mulher. Gesticular estardalhaço é tudo o que há de menos cativante e temo muito pela sanidade psíquica de Clifford Bradshaw ao apaixonar-se por tal mulher. Veja a Marlene, estude os gestos, os silêncios, o olhar, veja-a explodir no palco e esconder-se na intimidade, num mistério sem limites. Veja como coloca languidamente a mão, o braço, as pernas, como enlaça uma cadeira, como fulmina quem a olha, como reduz a cinzas os seus perseguidores. Pobre professor Unrat!
De resto, esta obra requer um clima perverso, um ambiente decadente, um rufar de tambores de morte, um adivinhar de tempestade por entre os fumos do vício e do prazer que aqui nunca se sentem, ou pressentem. Realmente, como me dizia um amigo ao intervalo, “gosto muito de Bob Fosse e Liza Minelli”. Eu também.


PS - Quando falei num “intervalo” não disse de quanto tempo, quantos dias. Mas apeteceu-me interrompê-lo. Os blogues têm isso de muito bom: tudo se passa entre o autor e o autor, e quem o desejar ler. Apeteceu-me um “intervalo”, fi-lo. Apeteceu-me escrever, escrevi. E apeteceu-me tanto escrever, que até arranjei tempo. Já está. Muito obrigado por terem esperado durante o ”black out”.
Lauro António in “Lauro António Apresenta”
Fotos de João Vasco (exceptuando a do cartaz)

Comments

António said…
Adquiri bilhetes há alguns meses para assistir ontem, dia 28 de Dezembro de 2008 à referida peça. Ontem à tarde recebi um telefonema da ticketonline refrindo que o espectáculo tinha sido cancelado!!
No site do teatro maria matos lê-se o seguinte: “O Teatro Maria Matos reserva-se ao direito de efectuar substituições ao elenco do espectáculo Cabaret de forma a garantir a sua realização.”
O cancelamento dos espectáculos devido a falecimento de um familiar de um dos actores, de acordo com informação prestada pela Ticketline revela bem o amadorismo medíocre dos responsáveis pela organização da peça de teatro. Recordo-me ainda das palavras do Diogo Infante frente às câmaras da tv durante a realização do concurso “À Procura de Sally”: “estou neste projecto para fazer uma coisa séria e responsável”. Pois …. palavras leva-as o vento!
O facto de não se acautelar esta ou outras situações que possam eventualmente a impedir a participação de um ou vários actores revela bem a ligeireza com que este espectáculo foi montado.
O resultado dessa ligeireza e mediocridade saldou-se pelo número de pessoas que organizaram as suas vidas para que nesta época festiva pudessem assistir a um espectáculo que ficou para a história. Entre nós ficará para a história por outros motivos que não os relacionados com a qualidade do mesmo!...
Termino lembrando um caso que aconteceu há muitos anos entre nós: a mãe de uma actriz faleceu e essa actriz insistiu que o espectáculo deveria continuar pelo que nessa mesma noite subiu ao palco e interpretou o seu papel (protagonista na peça).
Creio que entre os extremos do caso acima descrito e o do cabaret poderia ter sido encontrada uma solução. Afinal é para isso que servem os actores substitutos!!
Ah….. o nome dessa actriz? Simone de Oliveira!!
com senso said…
No seguimento do comentário anterior, gostaria de referir que também eu fui um dos "atingidos" pelo cancelamento da peça no passado fim de semana.
Na verdade o velho principio "The show must go on" aqui não parece ser seguido e como refere muito bem o comentário anterior, este episódio revela, no mínimo, mediocridade organizativa.

Remarquei bilhetes para sessões de Fevereiro e só espero que Deus dê muita saúde aos actores e seus familiares, amigos, vizinhos e animais de estimação, para que não me volte a acontecer o mesmo, que agora ocorreu.

Quanto à critica em si, acho melhor não me pronunciar, não só porque não vi ainda o espectáculo, mas também porque o autor do texto apelida de"gloriosas" as produções do Senhor La Féria, nomeadamente a "Musica no Coração" única a que tive a desdita de assistir.

Finalmente acho muito curiosa a sugestão de estudo da interpretação de Marlene na sua Lola-Lola.

No Anjo Azul há uma sedução fatal de uma mulher assombrosa a um pobre professor puritano, apanhado nas malhas do desejo por uma vamp incomum.

No "Adeus Berlim" o que existe é uma pobre cantora de cabaret de terceira categoria, nem bonita, nem sensual, que se apaixona por um jovem académico bisexual...

Pouco de comum têm as personalidades das personagens, nem a intensidade dos seus relacionamento.

Há, isso sim, um pano de fundo semelhante, a decadência da noite germânica dos anos 30 e a componente estética de uma neblina que paira em todo o ambiente que prenuncia o nazismo... Mas isso não terá certamente muito que ver com a forma como Palminha se veste de Sally Bowles...
A ver vamos....

Popular Posts